13 junho, 2016

Resenha Quadrinhos #31: Capitão América 1 – Hail Hydra





  Oi gente tudo bom com vocês? Na resenha de hoje vamos falar sobre a dualidade do Capitão América e o que supostamente levou ele a ser um agente duplo.  Tudo começou em 1926 na parte baixa da zona leste de Nova York onde um pai de família agride sua mulher, mas antes que a coisa fique mais seria uma mulher aparece e ajuda a mãe do pequeno Steve. Daí em diante Elisa Sinclair apresentara a Sarah Rogers uma sociedade muito particular. Nos dias de hoje Steve Rogers é o Capitão América, o protetor da cidade e o sentinela da liberdade. Mas em sua história a um capítulo omitido onde possivelmente teve os primeiros contatos hydra, grupo no qual combate desde sempre. Será mesmo que ele foi apresentado a Hydra assim como sua mãe? Se ficou curioso vem comigo conferir e saber mais.


  Quando muito pequeno Steve Rogers presenciou um ato de agressão por parte de seu pai a sua mãe Sarah Rogers, tal violência só foi encerrada quando uma mulher protestou e revidou golpes certeiros no pai do pequeno garoto. Quem era essa mulher uma benfeitora talvez, seu nome Elisa Sinclair.





  Sem muitas explicações, retornamos aos dias de hoje e o Capitão faz o seu trabalho recorrente em salvar as pessoas.  Ele tenta parar um trem pilotado por um garoto confuso, aparentemente o jovem teve contato com um grupo secreto de recrutamento do Caveira Vermelha que aos poucos vem tomando forma.



  A Free Spirit e o Jack Flag lutam com um pequeno contingente de rebeldes participantes do grupo de recrutamento. O trem no qual o Capitão tentava salvar vai se pelos ares e alguns momentos depois ele vem a entrar em conflito sobre ter feito o correto ou não. O caso do trem se estende em uma conversa bem particular entre Maria Hill e Sharon Carter, ambas tentam entender o motivo do recrutamento e o objetivo disso tudo.


 O Barão Zemo que aparentemente está atrás do cubo cósmico e reprova totalmente o recrutamento da hydra, ao reunir seu próprio grupo ele vai atrás do cubo. Em terra acontece uma luta onde Free Jack combatem o grupo do Zemo e no avião “herói” da história tenta lutar contra o vilão e “salvar” o dor Selving.




  Entre um flash back e a presença inusitada do Jack na aeronave percebemos a mudança de comportamento do Capitão América e a procedência de seus atos. O que acontecera deste voo pra frente e sobre o passado desse herói com carga dupla saberemos nas próximas revistas. Será mesmo um agente duplo? O que a presença de Elisa Sinclair influenciou a mãe do Steve? Muitos questionamentos ainda receberam suas devidas respostas. 


Pausa Para A Opinião  

  
  Esse quadrinho teve tudo para se polêmico, porque falamos do Capitão América ser um agente duplo e isso meio que ataca a todos as ideias formadas e princípios dele ser apenas um agente da shield e um vingador.

No começo foi meio difícil aceitar a ideia de ver ele agindo em prol da Hydra, mas quando li o quadrinho ah um arranjo muito bem construído possibilitando assim uma vaga visão de um envolvimento com o grupo no qual ele combate no futuro.

Os flash back tão ai pra isso e mostram bem detalhadamente na medida do possível e com a figura de Elisa podemos ver a atuação de mulheres na hydra recrutando novos membros e principalmente mulheres que sofriam alguma opressão por parte da sociedade ou violência.  Mostrando esse lado vamos ver que a mãe dele teve contato e como ele era pequeno acabou se envolvendo com as atividades antes mesmo de ser recrutado pelo exército, é algo diferente, mas tudo pode ser levando em conta quando se fala do Capitão.

Pode se relevar muito esse caso do Capitão ter tido o contanto quando menor com a hydra, porque não temos




Com polêmica ou sem, essa história ainda vai ter muita coisa a se falar. Espero que tenham gostado. 

4 comentários:

  1. É um lance interessante e criativo, mas, como sempre, vai ter gente pra reclamar. Se fica muito tempo na mesma coisa, reclama, se muda, reclamam também.

    Pessoalmente, não tô acompanhando essa fase (esperar fechar pra ver se leio), mas, se tudo se manter de uma maneira bem explicada, acho que tem todo o direito de fazer isso com o personagem.


    Mudando um pouco, mas não tanto, o assunto, curti o seu blog, bastante interessante, estou seguindo, e, se te interessar, dá uma olhada no meu, já que as temáticas as vezes coincidem.

    http://guitarrasenanquim.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha, eu sou aberta a mudanças sempre e o bom da revista é que ela mostra um passado desconhecido dele então acaba sendo interessante saber mais com hydra ou não. Te aconselho a ler logo a primeira tá muito legal pra se esperar fechar tudo. E sempre vai ter mimi mesmo, a galera só sabe reclamar.

      Excluir
  2. vi capitão america e ja fiquei :o COMPLETAMENTE APAIXONADA POR ESSA RESENHA <3
    http://www.karoltomaz.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou também sou apaixonada pelo capitão America!

      Excluir

imagem-logo
© Do meu mundo ao seu mundo - 2016. Todos os direitos reservados.
Design por: Rachel Domingos - Apê Design.