10 fevereiro, 2016

Entrevista #3: Jéssica Figueiredo




Oi gente tudo bom com vocês? Fiz a resenha do livro Memórias de Julho segunda feira então trouxe a entrevista com a autora Jéssica Figueiredo, a mesma além de muito simpática tem uma imaginação muito fértil e consegue nos prender bem no contexto da história. Mas agora iremos conversar e ver o que ela pode nos contar sobre ela e sobre o livro, diagramação e tudo mais. Espero que gostem.



1 – Quem te incentivou a escrever?


Quando eu era do ensino médio eu tinha dois amigos – que ainda são meus amigos haha – que escreviam e me contavam as suas histórias e projetos, até que eu comecei a ter as minhas próprias ideias e pensei: Porque não?  Comecei a escrever no segundo ano do ensino médio e estou até hoje.


2 – Com quantos anos começou? E a quantos anos escreve?


Eu tinha 16 anos quando comecei a escrever. Agora que fui perceber que fazem praticamente 6 anos que escrevo. Não imaginava que seria tanto tempo! Realmente o tempo passa voando.


3 – Qual a sua formação acadêmica?


Eu estou fazendo bacharelado em Ciências Biológicas – nada a ver com o mundo literário, porém eu percebo que a biologia me ajuda em determinadas histórias, e eu fico muito feliz com isto. Irei me formar esse ano, estou bem ansiosa!


4 – Como foi a sua experiência na Bienal? Foi a sua primeira?


A Bienal de Pernambuco de 2015 foi a minha primeira Bienal, e, foi perfeita! Eu ainda lembro que havia colocado na minha cabeça que iria para a Bienal, pois era uma oportunidade de mostrar o meu trabalho para várias pessoas em um curto intervalo de tempo. Por conta da Bienal eu conheci autores maravilhosos – compartilhamos um estande de autores independentes e conheci autores independentes de outros estandes. Quando a feira terminou eu me senti maravilhada com toda a experiência. Como se tivesse sido um sonho bom.


5 – Durante a produção do livro, em algum momento pensou em desistir?


Renata, eu não pensei em desistir hahaha. Acho que a história ganhava proporções tão grandes que eu sempre pensava “Eu tenho que concluir”.


6 – As experiências dos protagonistas foram inspiradas nas suas?


As experiências deles na primeira parte foram sim inspiradas nas minhas, mas só algumas. Eu gostava muito de jogar bolinha de gude quando era da terceira série. Ainda lembro que ficava contando o tempo para dar o horário do recreio. Jogava até mesmo debaixo de chuva. Outra coisa que coloquei foi a construção de coisas que eles faziam com o barro. Quando eu era menor, a minha antiga casa, tinha uma parte que o quintal era de barro, então, eu e minha irmã ficávamos fazendo várias coisas com ele. E o resto seriam as brincadeiras de crianças que são tão legais :D


7 – Marcos foi inspirado em quem?

Hum, não tenho uma inspiração em si para ele, mas tenho uma inspiração para o seu desejo. O desejo de Marcos que transcorre por todas as páginas do livro é o meu desejo. Quando terminei o colégio e estava indo para a faculdade eu fiquei com muito medo de perder os amigos que havia feito, e, nossa, eu acho que eu não sou boa em fazer amizades e, fiquei com medo de ficar sozinha. Então, Marcos surgiu através de um desejo meu, de não me separar dos amigos de colégio. (Ahh, e só para constar haha, eu fiz muitos amigos na faculdade, pessoas muito especiais para mim, e que eu também quero levar para o resto da minha vida).


8- O trama dos amigos foi interrompida como forma de aprendizado para eles no futuro? 

– Não entendi muito bem essa pergunta.


9 – Os romances da trama são interrompidos ou continuam com o tempo?


Eles continuam com o tempo. Gosto de pensar que certas pessoas foram feitas uma para a outra.

10 – O baú foi uma forma de guardar os bons momentos das férias dos jovens, mas o mesmo se remete a uma capsula do tempo?


Sim, é uma capsula do tempo. Eu sempre achei legal essa ideia de guardar desejos e objetos em uma caixa e enterrar. Sempre fui uma pessoa muito ligada em uma boa nostalgia hahah


11 – Porque as férias de julho foi um momento tão explorado no livro?


Acho que quando se é criança a melhor época do ano é nas férias. Eu sempre ficava esperando dar as férias do meio do ano para poder dormir até bem tarde, ou então, ver os meus desenhos – eu estudava na parte da manhã. É o momento mais esperado pelas crianças. Que elas podem ser “livres” para brincar e serem realmente crianças. Coloquei as férias de julho, pois não é todo mundo que viaja nessa época do ano e as de fim de ano é passada mais tempo com a família.


Renata, muito obrigada pela entrevista :D Curti muito as perguntas que você fez o/ E sucesso para o blog :3
           

Espero que tenham gostado da entrevista e até próximos posts.

2 comentários:

imagem-logo
© Do meu mundo ao seu mundo - 2016. Todos os direitos reservados.
Design por: Rachel Domingos - Apê Design.