07 dezembro, 2015

Resenha Quadrinhos #14: Capitã Marvel 2 – O Céu É O Limite






Oi gente tudo bom com vocês? Nessa revistinha a Capitã Marvel será chamada para averiguar um cemitério de aeronaves que surgiu na costa de Nova Orleans do nada isso vai virar um Robô de sucata. Tentando conciliar a vida pessoal com o seu trabalho Carol vai combater o crime mais do que se cuidar e logo vai descobri que está doente e que se ela usar certos poderes o seu quadro pode se agravar, contudo ela continua na ativa, mas será mesmo que uma doença impedirá a Capitã Marvel de ser quem ela é? Vem comigo conferir 



Informações Gerais



Roteiro: Kelly Sue DeConnick e Cristopher Sabela



Ilustrações: Dexter Soy e Filipe Andrade



Volumes: 7 á 12




Resenha:


Depois de ser chamada por Monica Rambeau para uma aventura aquática em um suposto cemitério de aeronaves e embarcações semelhante ao triângulo das bermudas, mas que surgiu do nada próximo a Nova Orleans, juntas Carol e Monica tentam avaliar o que supostamente deu origem a tal quantidade de metal abandonado, mas depois de alguns instantes toda a sucata acumulada vira um robô gigante. Vendo tal situação as duas tentam enfrentar a coisa da maneira menos caótica possível e como sempre problema resolvido.




Ao retornar para casa Carol tenta tomar sua rotina novamente formando sua própria agenda de compromissos civis, mas no meio de seu dia, acontece de um chamado de urgência exigir que a Capitã Marvel apareça para salvar o dia, pois dois dinossauros surgem no meio da via pública sobrando para ela e a Mulher Aranha tomar conta, mas a luta contra o crime ainda não acabou porque um grupo resolve se rebelar e precisar de interferência de força maior.



Um dia cansativo se passa, mas os problemas começam agora porque a doutora Nayar tem uma novidade não muito agradável que impede com que Carol exiba seus poderes de voo porque caso isso aconteça ela estará meio que se matando de dentro para fora, como um câncer ou algo dessa natureza.


Abusando de seus poderes, ela decide optar pela teimosia a se reservar para que se cure rapidamente. Após salvar pessoas de um metro descarrilhado ela vai reconhecer que está fraca e vai recorrer a opções já que inimigos antigos como a rapina voltaram para atormentar sua vida. Com a ajuda do capitão America e sua moto voadora adaptadas para os gostos da Capitã.


Informada sobre a piora do seu estado de saúde e tendo sua velha inimiga na sua cola sem nem saber os motivos Carol terá que administrar sua vida pessoal e a de heroína no mesmo patamar de importância porque caso piore ela poderá perder suas memórias e se perder completamente. Além de que ela começara uma saga para descobri qual seu inimigo que ver a morta ou debilitada. Muitos problemas para a heroína mais forte dos vingadores. Será que ela da conta?



Espero que tenham gostado dessa resenha do segundo quadrinho da Capitã Marvel, se acompanharam ou não a resenha do primeira revistinha deixe seu comentário aqui em baixo e até próximo post.


2 comentários:

  1. Eu nunca li nada assim de super-herói, nem de filmes eu gosto muito, mas essa história tendo a parte da doença e ela ter que se privar de algumas coisa parece diferente, talvez. Achei legal!
    beijinhos
    becodoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente muito interessante a coleção dessa história e só de você ver a personagem mais poderosa da marvel tendo uma doença que afeta seus poderes torna tudo bem diferente mesmo. Te convido a ver a primeira resenha da revista anterior na barra de resenha de quadrinhos. bjs

      Excluir

imagem-logo
© Do meu mundo ao seu mundo - 2016. Todos os direitos reservados.
Design por: Rachel Domingos - Apê Design.